Sierra Nevada de Lagunas Bravas - Rumos: Roteiros para sua próxima aventura! :: Baixe também o..." /> :: Baixe também o..." />
Sierra Nevada de Lagunas Bravas
 Arquivos disponíveis:
Montanhismo moderado

País - Chile Bookmark and Share

Sierra Nevada de Lagunas Bravas

Altitude Máxima: 6137 metros.

Altitude Mínima: 4200 em Laguna Bayo

Temporada ideal: De Outubro a Março

Como Chegar: Aproximação 4x4 em dois veículos

Outros locais do roteiro:

  • Vulcão Paso Cerrado
  • Sierra de Aliste
  • Panteón de Aliste
  • Vulcão Piedra Parada
  • Cerro Tridente
  • Vulcão Lagunas Bravas
  • Lomas Coloradas
  • Vulcão El Morado
  • Cerro Colorados
  • León Muerto
  • Cerro Vallecitos
  • Peinado
  • Cerro Condor
  • Forma da obtenção dos dados:

    Via GPS 62S por Pedro Hauck em outubro de 2015.

    Mais informações sobre este roteiro:

    :: Baixe também o tracklog do acesso à esta montanha

    A Sierra Nevada de Lagunas Bravas é um complexo vulcânico na fronteira da Argentina com o Chile com 8 cumes acima dos 6 mil metros. Trata-se de uma montanha muito remota e com uma história recente de exploração.

    Esta montanha foi o último 6 mil andino a ser escalado na história, com sua conquista definitiva datando de Dezembro de 2014. Isso aconteceu pelo fato de ser uma montanha muito isolada e remota e também por que achava-se que o cume mais alto era o da fronteira Argentina x Chile, onde inclusive está o livro deixado pela expedição patrocinada pelo Banco do Chile de 2006. O cume mais alto tem apenas 10 metros a mais que este.

    A rota referenciada foi a realizada pela expedição de Maximo Kausch, Pedro Hauck e Jovani Blume em Outubro de 2015, que foi a segunda expedição que chegou ao cume mais alto da montanha. O acesso foi pelo Chile, que é muito mais fácil que a rota da conquista, realizada 10 meses antes pelo lado argentino por Guillermo Almaraz.

    Acesso

    A cidade mais próxima é El Salvador, no meio do deserto do Atacama. No entanto Copiapó é a melhor opção devido à estrutura que a cidade oferece. A aproximação se dá por um caminho 4x4 que exige pelo menos dois veículos preparados. Combustível extra, dois pneus auxiliares, guincho, compressor para encher pneu e muita perícia.

    O acesso à região de Lagunas Bravas se dá pelo vale do rio Juncal em uma estrada que começa na rodovia C173, próximo à localidade de La Ola que por sua vez fica a 60 km da aduana de Maricunga, pertencente ao complexo fronteiriço de San Francisco, local que deve ser visitado antes, pois ali é necessário deixar a autorização do Departamento de Fronteiras e Limites do Chile (DIFROL) que é feita pela internet sem burocracia, sendo necessário apenas ter duas cópias impressas do mesmo. Uma cópia fica com você e outra com os Carabineros de Chile.

    A estrada de inicio é bem mantida, mas ela vai apenas até uma barragem no rio Juncal pertencente a uma empresa de mineração. Depois dali há um trecho com areia que termina em uma cachoeira, num local a estrada dá lugar à um caminho 4x4. Nesta cachoeira começam as travessias pelo rio Juncal, que apesar de no inicio darem certa insegurança, são boas, pois o subtrato do rio é pedregoso e há pouco risco de atolamento.

    O vale torna-se encaixado e vira um canyon e nesta forma ele vai até o fim, onde está a nascente que é termal. Ali fica a Terma Del Juncalito com duas construções rudimentares que serve como abrigo para passar a primeira noite a 4200 metros de altitude.

    O acesso às lagunas bravas, no entanto, se dá 2 kms antes das termas, em uma rampa que dá acesso à Pampa de lós Cuyano. Há duas rampas, uma de descida (primeira para quem vem de La Ola) e uma de subida (a segunda). É necessário ter cuidado para não escorregar na areia e capotar o veículo. Recomenda-se verificar se há pedras na trilha, pois é preciso subir com embalo.

    Uma vez vencido este obstáculo, chega-se à tal Pampa de los Cuyanos que é um planalto com chão duro e pedregoso onde é possível andar com velocidade pelas trilhas de pneus. Estas trilhas acabam em uma estrada mineira feita com motoniveladora. Em épocas com neve é preciso ter cuidado, pois a estrada mineira é rebaixada e acumula neve. No entanto é possível dirigir fora dela desviando das manchas de neve.

    Esta estrada continua rumo ao norte, atravessando o paso do Aliste. No entanto é necessário ficar atento, pois para ir às Lagunas Bravas é preciso sair da estrada em uma entrada nada obvia que desce rumo ao salar de Piedra Parada que é uma baixada com um salar cheio de flamingos.

    A trilha passa perto do salar, bordejando ele até certo ponto, onde é necessário subir novamente e realizar uma transposição para outro lago salgado, o Jilgero. Esta transposição é um momento delicado, sendo necessário passar por areais e outros locais com muita costela de vaca.

    Uma vez realizada a transposição, chega-se à Laguna de Jilgero, que é bordejada pela direita, num local com muito areal. Tome muito cuidado, pois ali eu atolei o carro em 2015 e só pude sair com ajuda de outro carro.

    Cruzando Jilgero, começa a subida para transporte esta laguna e chegar na Bayo. Este divisor de águas é mais fácil que o anterior, mas é necessário tomar cuidado com manchas de neve.
    Descendo até a laguna Bayo, deve-se contornar a mesma pela esquerda, seguindo uma pegada de pneu que vai se afastando da laguna e entrando em um vale com bastante areia fofa. O caminho acaba no fim deste vale a 4500 metros em um local protegido para deixar o carro.

    Ascensão

    Do local onde se deixa o carro deve-se continuar o vale, e subir uma encosta à direita e ir ganhando altura.

    O acampamento é um anfiteatro protegido do vento com chão plano numa altitude de 5200 metros. Não há água corrente em nenhum local da rota, então é necessário derreter neve. Se estiver uma época muito seca é provável que não tenha água neste local, sendo necessário trazer do carro e carregar na mochila.

    Ataque

    A rota segue por um vale óbvio que começa no acampamento. É necessário subi-lo, mas em um determinado momento derivar a esquerda e pegar uma crista que vai até um platô, na base de um dos cumes de 6 mil metros que não é o mais alto.

    Deve-se costear este cume pela esquerda, em um local que forma uma espécie de corredor que se amplia e termina em outro planalto de onde se observa o cume mais alto ao fundo.

    Recomenda-se realizar aclimatação antes.

    Veja mais:

    :: Relato da aproximação ao Sierra Nevada - Blog Pedro Hauck

    :: Relato da ascensão ao Sierra Nevada - Blog Pedro Hauck
    :: Vulcão Paso Cerrado - Montanha para aclimatação
    :: Check list de equipamentos para escalada em montanha de altitude
    :: Site para requerir autorização para expedições em zonas limítrofes do Chile
    :: Tracklog de acesso ao Sierra Nevada de Lagunas Bravas
    :: Interessado nesta montanha? Entre em contato com o GenteDeMontanha e veja a possibilidade de uma expedição na região!


    Veja esse roteiro no Google Earth:

    Quer contribuir com o Rumos?

    O Rumos está aberto a contribuição de seus leitores. Clique para saber mais.

     



    .
    O site Rumos: Navegação em Montanhas é mantido pelo Portal AltaMontanha.com - Consulte nossa Política de Uso!